«

»

set
12

2010 – Matt Wilson fala ao Dia D RPG

Olá Amigos do Dia D RPG! O Matt Wilson infelizmente não fará uma video conferencia conosco. Tentamos mais de uma vez, ele até mandou um vídeo, mas está impublicável, o cara tem MUITA vergonha de falar em público. Diz ele que é um homem para detrás das câmeras, não pra frente delas…

Em alternativa ao vídeo canhestro, enviou uma carta, que transcrevemos abaixo:


Saudações, jogadores do Brasil
Meu nome é Matt Wilson. Sou o fundador e diretor criativo da companhia de jogos Privateer Press, criador do cenário de RPG Reinos de Ferro e de diversos jogos, como WARMACHINE, HORDES e MONSTERPOCALYPSE.

 

É uma honra ser convidado à falar com vocês através das maravilhas da tecnologia. Que bom é viver numa época de tantos avanços da eletrônica, comunicação e entretenimento. Não faz muito tempo que a comunicação entre os países do mundo era difícil e você precisava fazer uma ligação telefônica muito cara ou escrever uma carta muito lenta. Além de todos esses brinquedos incríveis, há algo que tem unido todos nós através dos continentes por anos e anos, assim como agora: nossa paixão pelos jogos.

 

Eu adoro jogos por que são interativos. Eu adoro filmes e livros e quadrinhos também, mas a coisa que é única nos jogos é que eles exigem o seu envolvimento. O jogo não acontece sozinho sem a sua participação, seu movimento, sua rolagem de dados ou suas decisões. Os jogos têm diferentes formas, mas para mim, os jogos mais excitantes são aqueles que levam você a outro lugar e entram numa experiência formada de pura imaginação. Amo jogos que fazem você viajar.

 

Como a maioria de vocês, tenho certeza, comecei a jogar muito cedo. Primeiro jogos de tabuleiro simples – damas, xadrez, Banco Imobiliário. Mas eu ansiava por algo mais complexo que realmente estimulasse minha imaginação, então encontrei jogos como Combate e War. Finalmente, alguém me apresentou a verdadeira porta de entrada para o vício de jogos mais barra pesada – Dungeons & Dragons. Para a velha guarda aí, estou falando da purple box set (caixa roxa). Fui fisgado instantaneamente. Minha imaginação levantou vôo! Mas o que realmente me conquistou foram as miniaturas – esses pedacinhos de chumbo que eram quase reconhecidos como monstros e heróis.

 

Eu cresci numa cidade pequena, era difícil. Não tínhamos uma loja de jogos, de revistas, nem mesmo um cinema. Eu morava longe dos meus amigos e era raro nos encontrarmos. Então, passei muito tempo explorando minha imaginação e não demorou muito para eu começar a criar material adicional para os jogos que eu amava. Modifiquei regras, criei novos mundos e monstros, reescrevi capítulos inteiros de livros. Vou lhes contar um segredo, mas isso vai me fazer parecer muito velho:

 

Um amigo me emprestou as cópias dos livros de Advanced Dungeons & Dragons dele. Eu não tinha como tirar cópias para mim, isso foi antes das fotocopiadoras se espalharem por aí. Então, passei semanas transcrevendo a mão, todas as tabelas e regras dos livros, assim eu teria acesso às informações depois de devolver os livros. Preenchi uma resma de papel inteira com as regras de AD&D.

 

Na escola de artes os professores mandam você copiar os trabalhos dos grandes mestres para aprender suas técnicas. Talvez copiar aqueles livros de AD&D tenha sido o que imprimiu em mim o amor pelo design de jogos.

 

Inventar meus próprios jogos era o próximo passo, gastei horas incontáveis criando RPGs, jogos de tabuleiro, card games e jogos de miniaturas, só por diversão. Falando a verdade, acho que gosto mais de criar jogos do que jogá-los.

 

Mesmo que eu nunca tenha planejado nada, acho que não é surpresa que, quando adulto, eu tenha ido trabalhar na indústria de jogos e, finalmente, começado a produzir meus próprios jogos.

 

Como profissional, antes de fundar a Privateer Press, trabalhei em diversos jogos como ilustrador e diretor de arte e até mesmo alguns como design de jogos. Alguns lugares que você pode encontrar meu trabalho são Magic: The Gathering, Legend of the Five Rings, Battletech, Shadowrun, Dungeons & Dragons e muitos outros.

 

Foi muito divertido trabalhar nesses jogos bem conhecidos e, em alguns casos, participar da criação de cenários novos em folha. Mas eu queria um lugar onde pudesse liberar minha criatividade. Eu tinha na minha cabeça mundos inteiros morrendo de vontade de sair. E assim nasceu a Privateer Press.

 

No começo, a Privateer era só uma experiência. Mas o sucesso do nosso primeiro título, A Trilogia do Fogo das Bruxas, levou a um grande interesse desse lugarzinho chamado Reinos de Ferro. O cenário cresceu e imaginamos todas as coisas que ele poderia se tornar, e eu voltei ao meu verdadeiro amor por miniaturas para criar a expressão máxima desse mundo. WARMACHINE nasceu, e com ele veio uma nova era para a Privateer Press. O que começou num porãozinho saiu para o mundo real. Nossa equipe cresceu, tínhamos um armazém e uma fábrica – há tantas coisas a se fazer para criar um jogo que nada pode ser feito para jogar! De repente, o problema não era mais criar jogos e desenhar monstros e sim aprender o necessário sobre negócios para se tornar uma companhia de jogos bem sucedida.

 

Felizmente, a Privateer tem sorte por cortar com uma talentosa e inteligente equipe de pessoas dedicadas, uma delas é nossa presidente Sherry Yeary, a quem tenho a sorte de chamar de minha esposa.

 

Hoje, a Privateer se mantém como uma produtora de jogos de alta qualidade e criadora de mundos originais e excitantes. Nossos mundos estão se expandindo para novas mídias como romances, o vídeo game de WARMACHINE a caminho, e o excitante longa metragem de Monsterpocalypse da Dreamworks dirigido pelo incrível Tim Burton. Como isso tudo poderia ser melhor?

 

Quero dizer, tenho de parar um pouco, respirar fundo algumas vezes e perguntar a mim mesmo como isso realmente aconteceu. Como chegamos até aqui com a Privateer Press? Como é possível que eu esteja agora no meu IPhone falando com o pessoal amável do Brasil?

 

Jogos. Assim como vocês, eu amo jogos. Jogos levam você a lugares que só se pode imaginar. Os jogos me trouxeram até aqui.

 

Então joguem os dados. Tomem suas decisões. E apreciem as excitantes jornadas a que os jogos podem lhe levar.

 

E como nós gostamos de dizer aqui na Privateer Press – Play like you’ve got a pair, Brazil!*
– Matthew D. Wilson

*(Jogue como se tivesse um par, Brasil!) - No Poker, ter um par lhe coloca numa posição
 mais audaciosa, confiante. 

To download the original file, click here

UPDATE! Saiu uma matéria excelente sobre o Matt Wilson : clique aqui para ler

Sobre o autor

cassiano

Promoter, modelo e empresário. Me falta ser atriz e ex-BBB

2 menções

  1. Tweets that mention Matt Wilson fala ao Dia D RPG | Dia D RPG - Brasil -- Topsy.com disse:

    [...] This post was mentioned on Twitter by Cassiano Oliveira, Nordestinus and Fellipe Soares, João Paulo de Sousa . João Paulo de Sousa said: RT @cassiano: Alô RPGistas! @MattWilsonPrime fala ao DiaDRPG: http://bit.ly/cW2YJ9 [...]

  2. Matt Wilson fala ao Dia D RPG | Dia D RPG – Brasil | GSM Brasil disse:

    [...] Continued here: Matt Wilson fala ao Dia D RPG | Dia D RPG – Brasil [...]

Deixe uma resposta